segunda-feira, 22 de março de 2010

ATROFIA TESTICULAR

O sistema genital masculino esta sujeito a um conjunto de patologias. Estas afetam as partes externas sendo mais notável precocemente, porém, quando as partes internas são afetadas podem não serem notadas e evoluem para um estágio tardio, sendo dificultoso o tratamento.
A atrofia testicular é mais comum no testículo direito que no esquerdo devido à associação com a criptorquidia que acomete mais o testículo direito.
Os testículos se desenvolvem atroperionealmente na parede dorsal da cavidade abdominal. Durante o seu desenvolvimento fetal eles migram e se alojam dentro da bolsa escrotal e ficam suspensos na extremidade do cordão espermático. Por causa da migração, cada testículo arrasta consigo um saco de membrana serosa, a túnica vaginal, derivada do peritônio. Esta túnica recobre todo o órgão que tem um formato ovalado.
O escroto tem um papel importante na manutenção dos testículos a uma temperatura abaixo de 3º C abaixo da temperatura corporal.
Quando os testículos durante a vida fetal mantem-se à temperatura do corpo, estes não evoluem e saindo da cavidade abdominal podem vir impedir a espermatogênese, daí, essa patologia é denominada criptorquidismo. A criptroquidia unilateral está associada com a atrofia do testículo podendo vir levar a esterelidade.
No início da vida a evidencia de atrofia não e tanto notável, já no indivíduo de 5 ou 6 anos de idade pode-se ver a diferença do crescimento do testículo e na puberdade torna-se mais evidente.
A correção cirúrgica do testículo não descido dentro do escroto, antes da puberdade, diminui a probabilidade de atrofia testicular e reduz o risco de câncer e infertilidade. Por esta razão, é importante examinar recém-nascidos do sexo masculino para conferir se ambos os testículos estão presentes no escroto, embora a proliferação das células germinativas seja inibida pela temperatura abdominal, o mesmo não acontece com a síntese de testosterona.
Isso explica porque os homens com criptorquidismo e atrofia testicular podem ser estéreis, mas desenvolvem suas características masculinas secundárias e alcançam ereção.

ROBBINS. Sistema Genital Masculino. Patologia de Órgãos e Sistemas. 7ed.
Steve Parker, O Livro do Corpo Humano, São Paulo; Ciranda Cultural 2007.
Postado por: Pedro Gustavo e Sabrina Ellen (Biomedicina 221.5)

4 comentários:

  1. O meu nome é Robson hoje com 26 anos qdo ainda por volta dos 19 anos tive um aumento com sensibilidade do testiculo direito, apos tratamento com antiinflamatorios, o testiculo direito sofreu atrofia, hj aos 26 anos eu só tenho o testiculo esquerdo o que eu posso fazer como posso tentar alternativas de tratamento de melhoras... me orientem...

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. amigo eu tambem tive isso só que o meu atrofiou aos 2 anos, o testiculo esquerdo eu nunca tive, aos 14 anos eu fiz uma cirurgia e coloquei um testículo de silicone, não é notavel a vista mas se for apalpado ele é mais rígido, me sinto bem, não tenho mais o antigo complexo.

      Excluir
  2. meu nome é Severino sou de Recife hoje tenho 39 anos mais no periodo em que servi o exercito eu tinha por volta de 19/20 anos de repente senti uma enorme dor um pouco a cima da minha virilha e a mais ou menos meio paumo do umbigo no sentido do testiculo direito fui levado para uma emergencia hospitalar porque á dor era progresiva e não parava só almentava o medico me passou um medicamento para dor. minha duvida é meu testiculo atrofiul de tal forma que sumil isso é normal? e o esperma tem aperencia normal nem ralo nem grosso só diminuil á quantidade isso pode me deixar estério e levar á impotência desde já agradeço pela atenção sflorencios@hotmail.com

    ResponderExcluir
  3. olá, tenho 17 anos, bom perto dos 15 para os 16 anos eu tive caxumba e eu não sabia e ela desceu. bom vou encurtar isso daqui, ela desceu e inchou, inchou muito e logo depois de alguns dias... passou, meu testiculo ficou normal e depois de uns dias novamente ele atrofiou, atrofiou tanto que está um pouco maior que um caroço de feijão. gostaria de saber se tem tratamento, ou se tem como voltar ao normal... obrigado

    ResponderExcluir